Viajar com animais faz bem

O final de ano está chegando e muita gente já começou a planejar suas viagens. Seja para passar a virada em algum lugar bacana ou aproveitar o período de férias, essa época é considerada a alta temporada para viajar e movimenta o mercado do turismo. E se você tem um animal doméstico, pode surgir a dúvida: levar ou não o animal com você?

Não há problema algum em levar seu cachorro ou gato com você em viagens, tanto de carro quanto de avião. Mas são necessários alguns cuidados.

Juliana Machado é personal trainner, técnica de natação (e nas horas vagas, ainda compete). Toda vez que precisa se ausentar de São Paulo, seja para visitar os parentes ou para competir, por vários dias ela faz a maior engenharia doméstica para vir a Bauru, onde deixa com as crias com a “vó-postiça”, como se autoproclama Nádia Ávila, que cuida delas. As “netinhas” são da raça lhasa apso. Nina, a mais velha, faz 7 anos agora em dezembro. E Cookie é a filha, de 4 anos.

Bem educadas, as duas se dão muito bem nas viagens. E Juliana segue à risca todas as orientações veterinárias. Desde pequenas elas viajam muito. Os locais mais frequentes são Bauru, Ribeirão Preto e São Simão, em Goiás. “A única coisa que nos preocupamos é que não comam próximo à hora de viajar, para não passarem mal”, conta Juliana. A “coach Juma”, como é chamada, conta ainda que se preocupa com a segurança, tanto que ambas ficam presas no cinto de segurança que por sua vez é preso na coleira peitoral e as caminhas vão junto. “Elas adoram, já se acostumaram e a Cookie dorme a maior parte da viagem. A Nina é um pouco mais estressada, mas já se acostumou também. As duas adoram sair e saracotear”.

Seguro animal existe
Também é importante contratar um seguro, que funciona como um plano de saúde para o seu animal. Caso ele sofra algum acidente ou pegue alguma doença, você terá cobertura para levá-lo a veterinários e exames. Além disso, ele pode ser útil, já que oferece a aplicação de vacinas obrigatórias em caso de viagens com o animal. Isso é comum no Exterior, especialmente nos EUA e Europa. No Brasil, esse mercado, aberto pela Bidu Corretora, está começando a se difundir.

Ouvir o especialista é fundamental
Ouvir o veterinário antes de empreender a viagem é fundamental. “Alguns animais não costumam enjoar quando viajam, porém outros podem, sim, ficar bem indispostos. Para isso, há medicações específicas para esse fim”, lembra a médica Simone Poli, que reforça que os “calmantes frequentemente usados devem ser evitados, porque sempre há um risco”. “No entanto, se for à base de florais ou homeopáticos, podem ser administrados sem risco algum”.

Ela alerta para o risco das praias. “Nas viagens para a praia, recomenda-se o uso de um produto preventivo para o verme do coração, doença mais comum nas regiões litorâneas que pode ser fatal para os nossos amigos. Os cuidados como vacinação, vermifugação e controle de ectoparasitas (pulgas e carrapatos) devem sempre estar em dia”.

Fonte: JC Net

, , ,