Conheça o dia a dia dos bebês elefantes resgatados no Quênia

Este é o momento delicado em que um bebê elefante ferido é resgatado depois de ter se machucado severamente em uma armadilha de caça.

A imagem mostra a recuperação milagrosa do animal, após ele ter sido transportado por quase 322 km, de onde ele foi encontrado até o David Sheldrick Wildlife Trust, um orfanato para elefantes, no Quênia. É impressionante o quão longe uma equipe de voluntários pode chegar para ajudar esses animais magníficos a se recuperarem de feridas horríveis. Este elefante em particular foi deixado com terríveis feridas na face e nas pernas – mas agora é visto em recuperação e até mesmo fazendo novos amigos.
Reprodução/ DailyMail

Reprodução/ DailyMail

Com o Dia Internacional do Elefante (12 de agosto), O David Sheldrick Wildlife Trust celebra a ocasião com um vislumbre na vida dos bebês elefantes órfãos.

Os bebês resgatados chegam ao viveiro severamente traumatizados pelos eventos que causaram a perda de seus familiares, e é papel da equipe de cuidadores ajuda-los a superar esse trauma, informa o Daily Mail.

O diretor executivo do orfanato de elefantes, Rob Branford, diz que “os elefantes, além do sofrimento físico causado pelas lesões, entram em um estado de luto profundo, que pode durar meses. Durante esse período crítico, nem todos os filhotes conseguem ser persuadidos a terem o desejo de viver. Nosso berçário em Nairobi oferece uma base segura e amorosa para cuidar desses órfãos em um momento de grande necessidade”, afirma.

Bebês elefantes órfãos recebem acompanhamento 24 horas por cuidadores do Trust, que caminham com eles pelos arbustos e dormem próximos aos animais durante a noite. Os cuidadores acompanham os filhotes com cobertores para o frio e guarda chuvas para proteção contra o sol e chuva. Eles também são alimentados com uma fórmula de leite especial, que contém todos os nutrientes necessários para o crescimento saudável dos filhotes, desenvolvida pela fundadora do Trust, Daphne Sheldrick DBE.

Reprodução/ DailyMail

Reprodução/ DailyMail

Rob afirma que “para um bebê elefante, família é tudo. Os cuidadores do Trust cuidam dos filhotes como se fossem seus próprios bebês humanos, com paciência e amor. Elefantes são animais altamente sociáveis, então nossa família humana é muito encorajada a ter contato físico com os bebês o máximo possível”, afirma. Brandford também diz que “os bebês precisam de estímulo, assim como crianças humanas, e precisam exercitar sua inteligência e memória”, conta.

“Um grande momento de celebração é quando o bebê elefante brinca pela primeira vez, pois é naquele momento em que podemos perceber seu avanço emocional.”

Quando os elefantes estão prontos fisicamente e psicologicamente para relocação, por volta dos 3 anos de idade, eles são transferidos para diferentes santuários de animais, até escolherem retornar à vida selvagem, o que pode demorar até 7 anos. O ecossistema de Tsavo, no Quênia, possui uma área de 64 km² e é o lar da maior população de elefantes do Quênia, e eventualmente lar dos elefantes do Trust.

, , , ,