Fotógrafo cria corujas de estimação com nome de comida em São José dos Campos

Um fotógrafo de São José dos Campos, no interior de São Paulo, cria três corujas em sua casa no jardim Esplanada, zona Oeste da cidade. Os animais de estimação nada comuns possuem nomes de comida e são criadas por Ronaldo Poli, que também tem outros dois cachorros.

‘Bacon’, de três anos e ‘Coxinha’, de dois, são um casal da espécie Tyto furcata, conhecida como a coruja de igreja. Já ‘Paçoca’, de um ano, pertence a Bubo virginianus, a maior espécie de corujas das Américas.

O gosto pelos animais surgiu há alguns anos, quando Ronaldo Poli tinha o desejo de fazer medicina veterinária. Apesar de optar não seguir na área, ele acabou se tornando fotógrafo e decidiu focar parte da carreira nos animais. Ele acabou não seguindo na área e optou por fazer o curso de publicidade, se tornando um fotógrafo.

coruja2“Sempre gostei de fotografar animais silvestres e exóticos, por isso me aprofundei mais do assunto durante um ano, onde eu ouvi falar sobre as lendas e histórias das aves de rapina e principalmente corujas. Depois disso eu comprei a minha primeira”, contou Ronaldo. A propriedade dos bichos é legalizada pelo Ibama.

Depois da compra, o fotógrafo ainda teve que entrar em uma lista de espera de seis meses a um ano para receber as espécies. “Dos 230 tipos que existem no mundo, somente duas espécies são liberadas para criação doméstico, por isso não foi fácil de encontra-las. Elas chegaram de avião de Uberlândia, e desembolsei entre R$ 2 mil a R$ 7 mil”, disse. Ele ainda conta que para manter e cuidar de cada coruja, os gastos mensais variam de R$ 200 a R$ 300 por mês.

Desbancando o Papai Noel
Vivendo em um puleiro dentro de casa, o ‘pet não convencional’, como o próprio dono chama, rendeu algumas histórias engraçadas durante passeios. A principal delas foi no último natal, quando ele levou o ‘Bacon’ a um shopping da cidade.

“Como ele é o mais tranquilo dos três, decidi ir ao shopping dar uma volta. De repente quando olhei para trás, quase a todas os adultos e crianças que estavam lá, largaram o papai noel e começaram a me seguir querendo tirar foto, o shopping parou. Mas eu estou acostumado, um passeio que eu levaria 15 minutos, demoro por volta de 1h30, contou o fotógrafo.

Paçoca é da espécie Jacurutu, a maior das Américas

Paçoca é da espécie Jacurutu, a maior das Américas

 

Fonte: G1

 

, , , ,