Golfinhos explorados por circo são mantidos em recintos praticamente secos

O golfinho fêmea deveria ficar na água. Em vez disso, ele estava deitado em uma maca de tecido suspensa dentro de uma caixa seca, semelhante a um caixão. Alguém tinha colocado uma toalha úmida em suas costas, mas agora, a água havia evaporado.

Ela foi levada para um avião e começou a ser carregada no porão de carga. O golfinho na caixa ao seu lado emitia ruídos.
Recentemente, foram divulgadas fotografias e vídeos dos dois animais sendo transportados para ser explorados em um circo de golfinhos da Indonésia. Eles estavam sendo levados de Jacarta a Balikpapan para realizar seu próximo show.

Foto; JAAN / Dolphin Project

“É o pior tipo de crueldade. Os golfinhos devem viver no oceano onde seus corpos são leves. Quando eles estão fora da água, a gravidade os machuca .O ruído também os prejudica e o estresse extremo a que estão expostos os mata”, disse Femke Den Haas, fundador da Jakarta Animal Aid Network (JAAN).

Na Indonésia, os circos de golfinhos itinerantes são essencialmente como o SeaWorld com rodas. Eles viajam por todo o país, erguendo piscinas temporárias e estádios e forçam os golfinhos – assim como outros animais como ursos-do-sol e lontras – a realizar truques para o público.

As condições em que eles vivem não são nada menos do que deploráveis, de acordo com Den Haas.

Quando os golfinhos, como os que são mostrados no vídeo, chegam ao seu destino, são conduzidos por caminhão para um local do circo e colocados em piscinas revestidas de plástico.

Mesmo que eles fiquem temporariamente na água, não recebem qualquer alívio. As piscinas utilizadas nestes shows itinerantes são rasas e preenchidas com água artificial salgada com cloro. A qualidade da água cria todos os tipos de problemas de saúde para golfinhos – o cloro queima seus olhos e torna-os propensos a doenças de pele, explica Den Haas.

Em seguida, há o estresse dos shows – nos circos ambulantes, os golfinhos devem realizar truques como pegar argolas, saltar e pular por de aros de fogo; todas essas ações são antinaturais para eles.

Foto: JAAN / Dolphin Project

Uma vez que o espetáculo termina, os golfinhos são embalados em suas caixas de viagem e levados de avião ou caminhão ao destino seguinte.

O estresse de tudo isso encurta consideravelmente suas vidas, diz Den Haas. Enquanto os mamíferos podem viver por mais de 40 anos na natureza, Den Haas acredita que eles só vivem por quatro ou cinco anos quando são abusados por circos itinerantes.

Foto: JAAN / Dolphin Project

Atualmente, a JAAN e o Ric O’Barry’s Dolphin Project trabalham juntos para tentar acabar com a exploração de golfinhos nos circos da Indonésia. Uma maneira de fazer isso é pressionar a Sriwijaya Air, a companhia aérea que atualmente transporta os animais, aponta Den Haas.

“Obtivemos imagens semelhantes em 2013, quando Garuda [outra companhia aérea] estava transportando golfinhos de Bali para Java. Desde então, a Gardua declarou que nunca mais transportaria golfinhos cativos. Fico com raiva ao saber que isso ainda acontece. É o pior pesadelo de um golfinho”, disse Den Haas ao The Dodo.

, ,